Governo francês de François Hollande quer censurar a Igreja e os movimentos pró-vida nas mídias sociais

Rio de Janeiro – 02 dez, 2016 – A Assembléia Nacional francesa aprovou nesta quinta-feira à noite, dia 01 de dezembro, a lei que acrescenta aos obstáculos puníveis por lei no processo de interrupção da gravidez também os serviços de informação das mídias sociais realizados pela Igreja e pelos movimentos pró-vida.

A iniciativa, agora pendente de apreciação do Senado, é protagonizada pelo governo socialista de François Hollande que visa suprimir as vozes presentes nos sites da Internet mantidos por várias associações em defesa da vida para compensar os efeitos de outra lei criada a um ano atrás pela aprovação da maioria no parlamento na qual se eliminou a obrigatoriedade da semana de reflexão para as mulheres que estão pensando em abortar. A eliminação desse espaço nasceu da ideia segundo a qual a mulher não tem de prestar contas a ninguém por sua decisão de realizar um aborto, que é descriminalizado, e portanto, ter direito a certas condições, torna-se “certo”. A conseqüência do cancelamento de qualquer forma com a qual a mulher pode refletir antes de decidir trará resultados dramáticos para vida de muitas mulheres.

Baixe o aplicativo do Blog para Android  Clique Aqui

Outras medidas regulamentares, que restringem abertamente as liberdades, introduz uma verdadeira repressão das presenças online que simplesmente procura ouvir e, se solicitado, aconselhar mulheres que lutam com uma escolha dramática.

Uma longa reforma no uso desses meios foi anunciada, contra a qual até agora não se levantou qualquer um dos itens que normalmente defendem, a liberdade de expressão na Internet .

Sobre a defesa dos locais pró-vida, animados por associações de assistência social francesas, que a Igreja Católica implementou, a carta do presidente da Conferência dos Bispos, Dom Pontier, ao presidente Hollande, permaneceu sem resposta. Foram igualmente ignorados os apelos da oposição parlamentar, apoiados pela rede associativa Alliance Vida, que até a última tentativa procuraram levantar a maioria de um projeto de lei que nega o “liberté” da França secular.

(…) O exame do Senado, talvez nos próximos dias, poderia parar a lei, tendo em conta os diferentes equilíbrios na segunda câmara. Enquanto isso, a votação parlamentar, esta noite permanece como um sinal perturbador no coração da Europa que, em muitos de seus componentes políticos e institucionais parece não querer apoiar a vida que nasce.

Fonte: Avvenire

Comentários

Comentários

2 comentários sobre “Governo francês de François Hollande quer censurar a Igreja e os movimentos pró-vida nas mídias sociais”

  1. Pingback: lde-20161203 | News Archive

  2. não importa no próximo ano ele e seus socialos comunistas serão répudiados ad vitam aeternam. os franceses vão se lembrar deles como da maior injuria, heresia e desviacionista que a Europa abrigo. E eles pensavam escrever uma página da história de França, que abominação.
    Jésus Christ est le seigneur

Comentários estão fechados.