Em 2014, o Arcebispo de Mosul profetizou o advento da guerra santa mulçumana contra os cristãos

estado-islamico

Rio de Janeiro – 30 de jul, 2016 – InfoVaticana/ Em 2014, o arcebispo iraquiano de Mosul advertiu o Ocidente:  “Os nossos sofrimentos de hoje são o prelúdio daquilo que os cristãos europeus e ocidentais também  sofrerão num futuro próximo”.

PSX_20160801_125713

O ataque jihadista à Igreja de Saint Etienne du Rouvray na França na última terça-feira terminou tragicamente com o primeiro padre católico a ser mártir em solo europeu pelas mãos do ISIS. A perseguição sangrenta aos cristãos no Oriente Médio pela qual eles têm passado sem tréguas nos últimos anos já está chegando à Europa, uma realidade anunciada por aqueles que viveram na carne as consequências do ódio religioso.

Como recorda a Aciprensa , em 2014 o arcebispo caldeu de Mosul, Emil Nona, advertiu o Ocidente que a perseguição religiosa iria ultrapassar as suas fronteiras. “Os nossos sofrimentos de hoje são o prelúdio daquilo que os cristãos europeus e ocidentais também sofrerão num futuro breve”, advertiu o bispo há dois anos atrás por meio do jornal italiano Corriere Della Sera.

O arcebispo de Mosul disse como ele foi forçado a deixar sua diocese, que foi ocupada por radicais islâmicos: “Eles nos querem convertidos ou mortos, mas a minha comunidade ainda está viva.

O bispo dos cristãos de Mosul disse que os países ocidentais enfrentarão o mesmo sofrimento que os seus irmãos orientais, se as autoridades não tomarem “decisões fortes e corajosas.” Além disso, naquela época, advertiu o Ocidente sobre a entrada maciça e indiscriminada de muçulmanos: “Devem considerar a nossa realidade do Oriente Médio, pois estão recebendo em seus países um número cada vez maior de muçulmanos. Vocês estão em perigo”.

“Seus princípios liberais e democráticos não valem nada aqui”, era a mensagem deste prelado, que recordou que “para o Islã nem todos os homens são iguais” e que os valores dos muçulmanos não são os valores cristãos que construíram a civilização ocidental. “Se não entenderem isso, vão se tornar vítimas do inimigo que receberam em sua própria casa”, alertou ele.

Fonte: InfoVaticana

Comentários

Comentários