Polônia mitando na Europa! O país se nega a aprovar o aborto e diz não à UE

images
Papa João Paulo II, o santo ícone da fé polonesa

MADRI, 02 Jul. 16 / 09:00 am – A Polônia respondeu de maneira contundente a Nils Muiznieks, Comissário Europeu de Direitos Humanos, depois que publicou na semana passada um relatório no qual insistia para que o país despenalize o aborto, elimine a objeção de consciência dos médicos e criticou sua maneira de tratar as mulheres que querem abortar.

A resposta do governo não demorou e acusam o Comissário de extrapolar suas funções e de interpretar de maneira tendenciosa as leis polonesas e as próprias funções da Comissão dos Direitos Humanos.

“As fontes da legislação polonesa estão baseadas em sua Constituição e, além disso, estão condicionadas por um forte apoio da sociedade e de seu respeito pela vida”, argumenta o governo polonês.

Para o governo de Beata Szydlo, primeira ministra polonesa, o relatório da Comissão apenas se dedica a repetir as queixas de algumas organizações favoráveis ao aborto, que simplesmente têm voz na sociedade devido à rejeição ao aborto que existe na Polônia.

Entretanto, insiste de Varsóvia, omitiram a informação que o próprio governo proporcionou à Comissão para o relatório. A Polônia acusa o Comissário Nils Muiznieks de elaborar um relatório ideológico, “tendencioso” e “fora de lugar”.

Devem perceber também que a Polônia tem uma das taxas mais baixas de violência doméstica e assédio sexual de toda a Europa. E que, segundo dados da OCDE, a brecha salarial entre homens e mulheres no país é uma das menores de toda a Europa: 10,6%, ou seja, é mais baixa que na Alemanha, nos Países Baixos, na Suécia ou na Noruega.

Além disso, cabe recordar a partir deste relatório que na agenda da ONU está a promoção do aborto e que se considera como “tortura” o fato de que este seja ilegal. Além do mais, conforme a própria instituição reconheceu em um artigo, o Exame Periódico Universal que realizam de forma periódica aos países pertencentes à ONU o utilizam para promover o aborto, a eutanásia e a ideologia de gênero.

Três práticas às quais a Polônia se opõe e pelas quais enfrenta junto com a Hungria a UE e a ONU.

A Planned Parenthood está por trás do relatório

Outra acusação feita no relatório, elaborado pela filial europeia da Planned Parenthood, a multinacional abortista acusada de vender órgãos de fetos abortados, é que na Polônia não é permitido às mulheres o acesso a certos anticoncepcionais a fim de não ter que subvencioná-los.

Por isso, o governo polonês responde que a única intenção da Planned Parenthood é conseguir benefícios econômicos com a venda desses medicamentos.

A Polônia também recorda que embora se trata da seção Internacional da Federação da Planned Parenthood, “dificilmente pode interpretar-se como uma fonte imparcial”. O interesse desta multinacional em promover o aborto e os anticoncepcionais a convertem em uma fonte muito implicada.

PSX_20160801_125713

Fonte: ACI Digital

Comentários

Comentários

1 comentário sobre “Polônia mitando na Europa! O país se nega a aprovar o aborto e diz não à UE”

  1. Parabéns aos Poloneses pela atitude corajosa e de respeito à vida! Que Deus seja sempre o essencial na vida de todos os poloneses!

Comentários estão fechados.