Depois de anglicanos, milhares de luteranos pedem o retorno à Igreja Católica

Mesmo diante de tantas dificuldades que encontramos no caminho rumo a Nova Evangelização, a Igreja recebe grandes motivações e alegria nos esforços ecumênicos que tem se caracterizado por uma longa e incansável jornada desde o Concílio Vaticano II. Foi bem noticiada pela mídia a reintegração à unidade de uma maioria anglicana, e também de considerável número de luteranos. Foi erigido um ordinariato pela Congreção para a Doutrina da Fé, o ALCC, Ordinariato Católico Anglo-Luterano que tem o dever de integrar anglicanos e luteranos a comunhão com Roma. Depois de tão anunciado retorno dos anglicanos à comunhão com Roma, cerca de 11.000 luteranos se proporam a integrar-se ao ordinariato desde 2009 quando começaram as conversações em torno da questão.

Em 1997 católicos, anglicanos e luteranos se reuniram num Sínodo de Missouri dos Estados Unidos para debater sobre o problema referente a doutrina da justificação, esta que foi a pedra fundamental da Reforma Protestante através de Lutero. O Sínodo concluiu o seus trabalhos com frutuosas soluções encerrando uma disputa secular sobre a doutrina soteriológica e sacramental que implicava o problema da justificação. Solucionado o problema só o que restara era a gritante necessidade de retornar a unidade com a Igreja de Roma.

Cabe a nós continuar rezando pela unidade dos cristãos, oração que já tem dado frutos significativos na procura da reintegração à unidade com a Igreja Universal de numeros grupos de cristãos separados. A Semana de Oração pela unidade que antecede a solenidade de Pentecostes tem dado os seus primeiros frutos concretos na reintegração dos nossos irmãos separados. Devemos nos alegrar com tudo isso e perceber que o tempo em que vivemos é de extrema importância para o futuro do cristianismo e da Nova Evangelização.

Para ver a entrevista do reverendo Gladfelter, metropolita do ALCC sobre os trabalhos do ordinariato junto a Igreja Católica clique aqui.

Comentários

Comentários