Liturgia Diária Comentada – 04 de junho de 2011

SÁBADO DA VI SEMANA DA PÁSCOA

Leitura dos Atos dos Apóstolos (Atos 18, 23-28)

23Paulo permaneceu algum tempo em Antioquia. Em seguida, partiu de novo, percorrendo sucessivamente as regiões da Galácia e da Frígia, fortalecendo todos os discípulos. 24Chegou a Éfeso um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria. Era um homem eloquente, versado nas Escrituras.
25Fora instruído no caminho do Senhor e, com muito entusiasmo, falava e ensinava com exatidão a respeito de Jesus, embora só conhecesse o batismo de João. 26Então, ele começou a falar com muita convicção na sinagoga. Ao escutá-lo, Priscila e Áquila tomaram-no consigo e, com mais exatidão, expuseram-lhe o caminho de Deus.
27Como ele estava querendo passar para a Acaia, os irmãos apoiaram-no e escreveram aos discípulos para que o acolhessem bem. Pela graça de Deus, a presença de Apolo aí foi muito útil aos fiéis. 28Com efeito, ele refutava vigorosamente os judeus em público, demonstrando pelas Escrituras que Jesus é o Messias.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Salmo 46)

Refrão: O Senhor é o grande Rei de toda a terra.

— Povos todos do universo, batei palmas, gritai a Deus aclamações de alegria! Porque sublime é o Senhor, o Deus Altíssimo, o soberano que domina toda a terra.
— Porque Deus é o grande Rei de toda a terra, ao som da harpa acompanhai os seus louvores! Deus reina sobre todas as nações, está sentado no seu trono glorioso.
— Os chefes das nações se reuniram com o povo do Deus santo de Abraão, pois só Deus é realmente o Altíssimo, e os poderosos desta terra lhe pertencem!

Evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 16, 23b-28)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
23b“Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará. 24Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis; para que a vossa alegria seja completa.
25Disse-vos estas coisas em linguagem figurativa. Vem a hora em que não vos falarei mais em figuras, mas claramente vos falarei do Pai. 26Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que vou pedir ao Pai por vós, 27pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus. 28Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai”.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

Comentário

A oração, então, será o «lugar» onde os discípulos conhecerão a relação profunda que existe entre Jesus e o Pai, e de Jesus e do Pai com eles. O perfeito entendimento no amor e na fé com Jesus, fará com que a oração dos discípulos seja feita de modo conveniente e, por isso, aceita pelo Pai.

Pedir “em nome” de Jesus significa pedir em união de vontade com Ele. Pedir tudo o que é necessário para a realização da vontade do Pai. O convite ao pedir – dirigido aos discípulos – dá-lhes responsabilidade e integra-os no dinamismo da missão. Com a iniciativa do pedir, o discípulo integra-se no plano libertador e vivificante de Deus. E com a certeza do atendimento de seu pedido pelo Pai, fortalece sua esperança e perseverança na luta, em completa alegria.

Jesus falará com clareza, aos discípulos, através do Espírito da Verdade que enviará. Completa-se a Sua missão: Ele saiu do Pai, veio ao mundo e, agora, deixa o mundo e vai para o Pai. Quem está em união com Jesus – e n’Ele com o Pai – participa de uma só vontade. O seu pedir é a realização da vontade do Pai. Em união com Jesus, vive-se o amor na comunidade, a oração e a missão de servir aos pobres em suas necessidades e direitos.

A vinda do Espírito Santo inaugurará um tempo novo no qual poderão dirigir-se ao Pai em nome de Jesus, porque o seu Senhor, em razão de Sua passagem para o Pai, tornou-se verdadeiro mediador entre Deus e os homens.

Jesus, o Senhor me ensina a pedir em seu nome. A fazer minha a sua causa. A ver o mundo com os seus olhos e a dar-me como o Senhor se deu ao Pai pelos homens. Como estou longe de tudo isso! É por esta razão que tantas vezes me sinto desiludido em minha oração e desanimo no meu apostolado e serviço aos irmãos. Olha Jesus, com piedade, as minhas veleidades em Te servir. Vem ao encontro das minhas ilusórias esperanças de gratificação. Ampara-me, purifica-me. Dai-me um coração semelhante ao seu. Dai-me o impulso desinteressado do seu amor. Ajuda-me a amar contigo e como o Senhor. Amém.

Comunidade Canção Nova, 04 de junho de 2011,

Padre Bantu Mendonça.

Fonte do Comentário Homilético: Canção Nova

Comentários

Comentários