O Papa Bento XVI recitou o Santo Rosário com os bispos italianos, na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, na tarde desta quinta-feira, 26. Os prelados estão reunidos em Assembleia Geral desde terça-feira, 24.

“A fé, de fato, não é alienação: são outras as experiências que poluem a dignidade do homem e a qualidade da convivência social! Em cada época histórica, o encontro com a palavra sempre nova do Evangelho foi fonte de civilidade, construiu pontes entre os povos e enriqueceu o tecido das nossas cidades, exprimindo-se na cultura, nas artes e, não por último, nas diversas formas de caridade”, enfatizou.

Nesse sentido, a Itália deve ser orgulhosa da presença e ação da Igreja, que não persegue privilégios nem busca substituir as instituições políticas, mas sustentar os direitos fundamentais do homem – como a promoção e tutela da vida em todas as suas fases e sustentar ativamente a família, “primeira realidade na qual podem crescer pessoas livres e responsáveis, formadas naqueles valores profundos que abrem à fraternidade e que permitem afrontar também as adversidades da vida”, explicou o Pontífice.

Diante da imagem da Virgem Maria, Salus Populi Romani, o Bispo de Roma confiou à proteção da Mãe de Deus todo o povo italiano, por ocasião dos 150 anos da unidade política do país, celebrada na Itália no último dia 17 de março.

“A Mãe de Deus encoraje os jovens, conforte os doentes, implore sobre cada um uma renovada efusão do Espírito, ajudando-nos a reconhecer e a seguir também neste tempo o Senhor, que é o verdadeiro bem da vida, porque é a vida mesma”, pediu, ao mesmo tempo em que suplicou os dons da paz e da fraternidade e do desenvolvimento solidário, e que as forças políticas superem toda a contraposição prejudicial em prol de um quadro mais amplo que busque o bem do país.

Incentivo

O Pontífice incentivou os bispos a estimular os fiéis leigos a superar o espírito de fechamento, indiferença e a participar em primeira pessoa da vida pública; encorajar iniciativas de formação inspiradas na doutrina social da Igreja; apoiar a grande rede de associações que promovem obras de caráter cultural, social e caritativo.

Da mesma forma, deve-se continuar o cultivo de um espírito de sincera e leal colaboração com o Estado, sabendo que tal relação é benéfica tanto para a Igreja quanto para todo o país.

“Em uma época na qual emerge com sempre mais força a exigência de sólidas referências espirituais, saibais levar a todos aquilo que é peculiar da experiência cristã: a vitória de Deus sobre o mal e sobre a morte, aquele horizonte que lança uma luz de esperança sobre o presente”, encerrou.

Modelo

“A oração é sempre dar espaço a Deus: a sua ação torna-nos participantes da história da salvação. […] A oração ajuda-nos a reconhecer n’Ele o centro da nossa vida, a permanecer na sua presença, a configurar a nossa vontade à sua, a fazer ‘o que nos disser’ (Jo 2,5), certos da sua fidelidade. Essa é a missão essencial da Igreja. Maria é o modelo, aquela na qual somos convidados a reconhecer a nossa identidade. A sua vida é um apelo a reconduzir aquilo que somos à escuta e acolhida da Palavra, chegando na fé a engrandecer o Senhor, diante do qual a única possível grandeza é aquela que se expressa na obediência filial”, destacou.

As disposições do coração de Maria – a escuta, a acolhida, a humildade, a fidelidade, a alegria e a espera – correspondem às atitudes interiores que plasmam a vida cristã. Dessas nutre-se a Igreja, consciente de que expressam aquilo que Deus espera dela.

Bento XVI também indicou Maria como projeto unitário que entrelaça os dois Testamentos. Nos acontecimentos de sua vida está a história de todo um povo e encontram sentido as histórias particulares das grandes mulheres da Antiga Aliança, sinal de que o projeto de Deus “não permanece uma ideia abstrata, mas encontra correspondência em uma resposta pura, em uma liberdade que se dá sem nada reter, em um sim que é acolhida plena e dom perfeito. Maria é a sua expressão mais alta”.

Por Leonardo Meira

Fonte: Canção Nova

Comentários

Comentários